Home » Notícias » Otimismo na safra de algodão impulsiona busca por tecnologia

Otimismo na safra de algodão impulsiona busca por tecnologia

A Bahia é o segundo maior produtor de algodão do Brasil e prevê uma colheita de 1,2 mil toneladas na safra 2017/2018, sendo 481 mil toneladas em pluma

Pelo segundo ano consecutivo, a safra de algodão na Bahia deve atingir produtividade média acima de 300 arrobas por hectare. O momento é de incentivo para agricultores, que lançam mão do uso da tecnologia e manejo adequados no campo. Em meio à colheita da segunda melhor safra de algodão no estado, a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), a Fundação Bahia e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) realizaram, em Luís Eduardo Magalhães (região oeste da Bahia), o tradicional Dia de Campo do Algodão.

À ocasião, cotonicultores, consultores, profissionais e estudantes da área se aprofundaram em temas que visam incrementar a produtividade no campo e buscar maior qualidade da fibra para o mercado consumidor. A Bahia é o segundo maior produtor de algodão do Brasil e prevê uma colheita de 1,2 mil toneladas na safra 2017/2018, sendo 481 mil toneladas em pluma.

Tradicional evento técnico de algodão na Bahia, o Dia de Campo apresentou cerca de 20 diferentes variedades de algodão disponíveis no mercado, a exemplo de cultivares transgênicas para as áreas de refúgio e ainda as resistentes a pragas e doenças como nematoides, ou aquelas que focam na qualidade da fibra e em características ideais para a indústria têxtil.

Ao percorrer as estações montadas no Campo Experimental da Fundação Bahia, no último sábado, 7, o cotonicultor Douglas Di Domenico aproveitou para saber mais sobre as novidades para a cultura do algodão para investir na próxima safra agrícola. “O Dia de Campo é a oportunidade de atualização das principais cultivares e de técnicas que visam melhores resultados”, afirma, ao prometer voltar no próximo ano.

Da área de comercialização e qualidade da fibra, os participantes conferiram as palestras Como agregar valor na fibra de algodão, com o coordenador de algodoeiras da SLC Agrícola, Edmilson Santos, e Comportamento das Cultivares de Algodão do Mercado, com o pesquisador Eleusio Curvelo Freire, da Cotton Consultoria Empresas Públicas.

Presente ao Dia de Campo com um grupo de nove acadêmicos, a professora do curso de Agronomia da Universidade Federal do Oeste da Bahia (Ufob), Mirian Nogueira, pretende renovar o conhecimento técnico sobre a cultura do algodão. “Há um avanço constante em cultivares, manejos e pesquisas que, para quem atua ou atuará no setor agrícola, é preciso acompanhar”, afirma.

Da área de defesa fitossanitária, o Dia de Campo do Algodão também trouxe novidades sobre O Impacto Econômico da Spodoptera no Algodão, com Geraldo Papa, da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Quem passou pelo Dia de Campo também presenciou a demonstração e informações sobre os usos e benefícios dos drones na agricultura. Presidente da Fundação Bahia, Zirlene Zuttion lembra que o Dia de Campo do Algodão é o momento em que são reunidas todas as tecnologias ligadas à produção da pluma. “É um dia de intercâmbio e troca de experiências entre os próprios cotonicultores e com as empresas que investem em novas tecnologias e avaliam os resultados destas variedades e formas de manejo para incrementar a produtividade na lavoura.”

Cenário – O presidente da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), Celestino Zanella, citou as ações desenvolvidas pelas entidades agrícolas para garantir a competitividade e rentabilidade do produtor, a exemplo dos programas fitossanitário da soja e do algodão, Operação Safra, e da busca de soluções de logística junto ao Estado. Para o presidente da Abapa, Júlio Cézar Busato, “é necessário unir forças para avançar nas questões que estão fora da fazenda, como logística, segurança física e jurídica das fazendas, além das questões fundiária, fitossanitária e ambiental”. Todo este cenário, argumenta ele, deve ser favorável para que os agricultores possam continuar produzindo com “técnica e qualidade para obter rentabilidade no campo, o que vem sendo prejudicado por cobranças e burocracia ineficientes”, afirma.

Busato reforçou sobre a boa conjuntura vivenciada pelos cotonicultores baianos, que depois de quatro safras com poucas chuvas e baixa produtividade, voltaram a contar com produção e o preço favoráveis. Aos poucos, será retomada a capacidade instalada de 400 mil hectares de produção no oeste da Bahia e vamos resgatar a riqueza perdida e os empregos que foram suspensos com a estiagem evidenciando a importância do algodão para a região”, reforçou Busato.

Com a previsão da regularidade do ciclo de chuvas e da cotação do mercado, a próxima safra de algodão já prevê um crescimento de área, saindo dos 263 para 300 mil hectares. A atual safra de algodão da Bahia deve abastecer principalmente a indústria têxtil brasileira, sendo o restante dela, cerca de 40%, destinada para o mercado externo para os países asiáticos.

Abapa

O post Otimismo na safra de algodão impulsiona busca por tecnologia apareceu primeiro em Portal Revista Safra.

Powered by WPeMatico

Check Also

Com safra de 228 milhões de toneladas, exportações já somam US$ 49 bilhões

A China manteve-se como principal destino das exportações do agronegócio brasileiro no primeiro semestre deste ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *