Home » Notícias » Está na hora de entrarmos em uma nova fase no controle da doença de Gumboro?  

Está na hora de entrarmos em uma nova fase no controle da doença de Gumboro?  

 

Estudos apontam que efeitos imunossupressores do vírus de Gumboro, sejam eles de campo ou vacinais, podem comprometer a proteção contra outras enfermidades, como Salmonelose e Bronquite AviáriaAlberto Inoue

A doença de Gumboro já foi um dos principais vilões da avicultura brasileira, com direito a eventos exclusivos com palestrantes renomados para discussão da sua patogenia e controle. Atualmente, mais de 20 anos após os primeiros casos da forma clínica causada pelos vírus muito virulentos de Gumboro (vvIBDV), a situação é bem mais tranquila e levanta-se a possibilidade de uma nova fase no controle da enfermidade, a proteção ligada ao bem-estar animal.

Em 1997, quando a forma virulenta da doença de Gumboro surgiu no Brasil, só eram disponíveis vacinas intermediárias contra o agente. Mesmo com ações de biosseguridade e programas de vacinação intensos, as cepas disponíveis não eram capazes de controlar de forma eficiente o vvIBDV. Surgiram então, as vacinas intermediárias plus e, posteriormente, as cepas vacinais fortes de Gumboro, entre 1999 e 2001. A partir daí, a enfermidade foi gradativamente sendo controlada e esses vírus vacinais mais virulentos passaram a predominar no campo.

Depois de alguns anos, em 2006, o controle da doença de Gumboro passou por um novo momento. A forma clínica começou a ser muito menos frequente, e o mercado migrou para opções que levassem conveniência por meio da vacinação em dose única, ainda no incubatório. Duas tecnologias passaram a dominar esse novo momento, vacinas vetorizadas, em que o gene que expressa a proteína viral (VP2) do vírus de Gumboro é inserido no vírus de Marek HVT, e vacinas imunocomplexos, em que um vírus vivo com cepa intermediária plus de Gumboro apresenta-se na forma de complexo ligado a anticorpos. Atualmente, mais de 90% das aves no Brasil são imunizadas com vacinas levando essas tecnologias.

Várias publicações já demonstravam que vírus vacinais mais virulentos de Gumboro, como intermediário plus, afetam a resposta humoral a outras vacinas como Bronquite, Newcastle e EDS, e isso está relacionado à destruição de linfócitos B presentes na bolsa de Fabrícius. Contudo, novos estudos* apontam que, da mesma forma que ocorre com vírus de campo, os vírus vacinais do tipo intermediário plus comprometem também a resposta celular e aumentam a ocorrência de outras enfermidades.

Uma dessas avaliações mostra que aves imunizadas com vacinas intermediárias plus de Gumboro apresentaram quase três vezes mais isolamentos de Salmonela em fígado, 21 dias após a vacinação. O vírus de Gumboro causa uma imunossupressão direta pela necrose e apoptose de linfócitos B e, posteriormente, uma imunossupressão indireta pela inibição da mitogênese de células T, além de macrófagos, que são importantes para proteção contra agentes como a Salmonela.

Diante das novas informações, levanta-se a reflexão sobre o uso inteligente das vacinas disponíveis no mercado. Situações como o uso do primeiro ciclo de criação em uma cama nova de frangos ou desafios muito agressivos, podem requerer o uso de vacinas vivas, contudo, na maioria das situações, vacinas vetorizadas apresentam excelente proteção, sem qualquer injúria ao sistema imune. A eficácia das vacinas vivas, sejam convencionais ou imunocomplexos no controle da doença de Gumboro, é inquestionável, contudo, chegamos a um momento de avaliar se o desafio de campo requer o uso de cepas virulentas como rotina.

Diante da disponibilidade de diferentes tecnologias no mercado, ressalta-se a importância do médico veterinário em conhecer a situação epidemiológica da doença de Gumboro de cada região. A atual reflexão não é mais qual a melhor vacina contra a doença, e sim, qual o melhor programa integrado, visando não somente a proteção contra uma enfermidade, mas da preservação do sistema imune das aves para a expressão máxima do seu potencial genético.

Alberto Inoue é médico veterinário, mestre, gerente de Marketing e Serviços da BI Fast – unidade de negócios de aves e suínos da Boehringer Ingelheim.

*Rautenschlein S, Lemiere S, Pradini, F. Evaluation of effects of an HVT-IBD Vector Vaccine on the immune system of layer pullets in comparison with two commercial Live IBD vaccines. XVII VPA Congress Nantes, France, 2013. Rautenschein, S.; Simon, B; Jung, A; Poppel, M; Pradini, F; Lemiere, S. Protective efficacy of Vaxxitek HVT IBD in commercial layers and broilers against challenge with very virulent infectious bursal disease virus. 16th WVPAC Marrakesh, November 8th-12th, 2009.  Mazariegos LA, Lukert, PD. 1990. Pathogenicity and Immunosuppressive propertieis of infectious bursal disease “intermediate” strains. Avian Diseases, 34 (1), p. 203-208

O post Está na hora de entrarmos em uma nova fase no controle da doença de Gumboro?   apareceu primeiro em Portal Revista Safra.

Powered by WPeMatico

Check Also

Com safra de 228 milhões de toneladas, exportações já somam US$ 49 bilhões

A China manteve-se como principal destino das exportações do agronegócio brasileiro no primeiro semestre deste ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *