Home » Notícias » ‘É necessário investir no Arco Norte’, diz executivo ligado ao setor portuário

‘É necessário investir no Arco Norte’, diz executivo ligado ao setor portuário

O estudo mostra que a exportação do agronegócio via portos do Arco Norte deve dobrar nos próximos anos, possibilidade que o Brasil não pode perder. Foram identificadas pelo estudo, apresentado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), várias rotas de escoamento da produção agropecuária para auxiliar na gestão das demandas logísticas e potenciais gargalosMoacir Neto

É necessário urgente investimento em logística focada no Arco Norte brasileiro. Com isso, seria garantido o melhor aproveitamento de navegação pelo Amazonas, importante bacia e fundamental para o escoamento de grãos visando os mercados externos. A avaliação, concomitante à apresentação do Sistema de Inteligência Territorial Estratégica da Macrologística Agropecuária Brasileira, é do presidente da Associação dos Terminais Portuários Privados (ATP), Murillo Barbosa.

O estudo mostra que a exportação do agronegócio via portos do Arco Norte deve dobrar nos próximos anos, possibilidade que o Brasil não pode perder. Foram identificadas pelo estudo, apresentado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), várias rotas de escoamento da produção agropecuária para auxiliar na gestão das demandas logísticas e potenciais gargalos. E o País pode crescer nesse setor, passando dos atuais 18,5% para 40%.

“Esse levantamento é de extrema importância para o segmento de infraestrutura do Brasil porque os dados vão subsidiar o planejamento de projetos tanto para escoamento de carga agrícola como para tantos outros produtos, a exemplo do minério”, diz Barbosa. A entidade que ele preside representa atualmente 27 empresas, que respondem por 60% da movimentação de cargas marítimas brasileiras e são responsáveis pela geração de cerca de 47 mil empregos diretos e indiretos. Juntas as empresas congregam 55 Terminais, sendo 52 de Uso Privado (TUPs) e três Estações de Transbordo de Carga (ETCs).

O sistema de inteligência fornece dados sobre áreas de produção, identifica gargalos e oportunidades de investimentos logísticos. O objetivo é mapear as melhores rotas e modais de transporte para escoar a produção do agronegócio brasileiro. “O estudo da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), feito a pedido do ministério, está à disposição de todo o governo e da sociedade, identificando as melhores intervenções a serem feitas em logística para aumentar a competitividade do setor agropecuário”, disse o ministro Blairo Maggi.

A plataforma online mostra a origem, os caminhos e o destino dos principais produtos da agricultura e da pecuária nacionais. Desenvolvido pela Embrapa Territorial, o sistema deve auxiliar na ampliação da competitividade de dez cadeias agropecuárias brasileiras: soja, milho, café, laranja, cana-de-açúcar, algodão, papel e celulose, aves, suínos e bovinos.

Ao lembrar as perdas atribuídas à má logística brasileira, Maggi disse que: “Sem renda, não há como sustentar altos índices de produção e exportação. E é preciso considerar que o setor que foi responsável por 70% do crescimento da economia no último ano.” O Produto Interno Bruto (PIB) voltou a crescer no ano passado, com índice de 1%, graças especialmente à atividade agropecuária, setor em que a alta foi de 13% no ano.

Portal Revista Safra, com informações do Mapa e da In Press Oficina

O post ‘É necessário investir no Arco Norte’, diz executivo ligado ao setor portuário apareceu primeiro em Portal Revista Safra.

Powered by WPeMatico

Check Also

Com safra de 228 milhões de toneladas, exportações já somam US$ 49 bilhões

A China manteve-se como principal destino das exportações do agronegócio brasileiro no primeiro semestre deste ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *