Home » Notícias » Congresso em Goiânia debate tendências de mercado da soja

Congresso em Goiânia debate tendências de mercado da soja

A 8ª edição do congresso da soja conta com 11 palestrantes internacionais, além de 4 conferências plenárias, 16 painéis temáticos e 49 palestras, com os mais diversos temas envolvendo a cadeia produtiva da oleaginosa
Moacir Neto

Falando a um público de mais de 2 mil pessoas, o engenheiro agrônomo Alexandre Mendonça de Barros, também doutor em Economia Aplicada pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (Esalq/USP), fez na noite desta segunda-feira, 11, no Centro de Convenções de Goiânia, um panorama do mercado da soja. A palestra, dentro da programação do 8º Congresso Brasileiro da Soja, debateu as tendências para a oleaginosa, hoje o carro-chefe do agro brasileiro.

“Tivemos safras relativamente boas. Mas teve o problema da Argentina. Se olharmos para a China, para a Europa e para o Leste europeu, há um movimento muito forte de demanda por proteína animal. A soja, ingrediente fundamental desta indústria, segue muito pressionada” ressalta o palestrante.

O algodão está em um momento extraordinário. A demanda de algodão deve crescer acima de 5% neste ano. O crescimento mundial será contestado nos próximos anos, embora hoje sejam os Estados Unidos o grande foco desta preocupação. “Mas, neste momento, os Estados Unidos têm sido um indutor muito forte.” O impulso gerado pelas políticas macro norte-americanas afeta o dinamismo da cadeia de soja brasileira. E a estratégia chinesa de trazer alimento de fora e manter a estabilidade é uma medida dos últimos 20 anos. “Interessante ver a importância dos chineses para nós, brasileiros, e ver a relação umbilical das nossas economias”, lembra.

Barros também diz que dados recentes corroboram que os primeiros passos que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deu fazem a economia caminhar por um outro rumo, com taxa de desemprego local de 13%. O Banco Central americano tem duas metas objetivas, ou seja, que a inflação se sustente num patamar de 2% e que o desemprego fique ao redor dos 4%. “Quando o desemprego vem abaixo de 4%, os preços começam a subir. E os preços começaram a subir fortemente.”

Trump, analisa, prometeu empregos e decidiu por uma política protecionista, que cria barreiras e eleva os preços internos de todos os produtos que terão sobretaxa para entrar nos Estados Unidos. Ele também prometeu melhorar o emprego, inibindo a entrada de imigrantes. O não ingresso de imigrantes faz o salário subir e o consumo do norte-americano acompanhar o ritmo. Terceira política forte do Trump, diz Barros, foi cortar impostos das companhias americanas. De fato, o primeiro trimestre deste ano indicou que o investimento cresceu 7%. “A combinação desses fatores gerou a volta da inflação. O mundo inteiro começou a olhar para os Estados Unidos e dizer que a taxa de juros vai subir”, diz.

Atualmente, lembra ele, as américas representam 90% do cenário da produção de soja em todo o mundo. Por outro lado, o preço da oleaginosa na bolsa de Chicago não aumentou muito neste ano. “Houve enfraquecimento do Real ante o dólar. A soja é cotada em dólar nos Estados Unidos e os preços da soja cresceram muito no Brasil. Colhemos a melhor safra de soja. Foi uma safra feita com custos de produção extremamente baixos. Nos últimos cinco, seis anos, safra com custos muito baixos.” A desvalorização do Real, a quebra da Argentina e a política protecionista do Trump mexeram nos preços no mercado interno.

A 8ª edição do congresso da soja conta com 11 palestrantes internacionais, além de 4 conferências plenárias, 16 painéis temáticos e 49 palestras, com os mais diversos temas envolvendo a cadeia produtiva. Destaque para os principais desafios na produção de soja e a agricultura 4.0, representada pelas novas tecnologias empregadas nos processos produtivos. E, ainda, apresentação de 340 trabalhos técnico-científicos que serão avaliados por comissão julgadora e serão premiados no final do evento. Houve remanejamentos nos horários das palestras, tendo em vista que palestrantes internacionais perderam o voo nos Estados Unidos.

“É possível que o Brasil, muito em breve, se torne o maior produtor de soja do mundo. Estamos na busca do aprimoramento para que possamos avançar mais. O agronegócio tem possibilidade de superávit da balança comercial. A soja é o carro-chefe, que contribui para o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) das regiões produtoras, aumentando a qualidade de vida das pessoas nas regiões produtivas”, afirma o presidente da comissão organizadora do congresso, Alexandre Cattelan.

Mais adiante, Cattelan disse que a cultura da soja tem abrangência e importância nacional. “Estamos falando em termos de Brasil. Em função disso, (a cultura) possui caráter estratégico para o País, e, portanto, não pode ser pensada de forma fragmentada. Existem peculiaridades, em diferentes condições de produção. Estas estratégias devem ser tratadas em âmbito nacional.”

Revelando o otimismo com o congresso, até mesmo pelos temas que serão debatidos durante os quatro dias, Cattelan afirma que espera que o ciclo da soja não se encerre ou dure muito tempo. “Para isso, é preciso uma articulação com os países vizinhos. Sem estratégia unificada, isso deixa de ser eficiente. A pesquisa tem investido muito em conhecimento.”

O post Congresso em Goiânia debate tendências de mercado da soja apareceu primeiro em Portal Revista Safra.

Powered by WPeMatico

Check Also

Com safra de 228 milhões de toneladas, exportações já somam US$ 49 bilhões

A China manteve-se como principal destino das exportações do agronegócio brasileiro no primeiro semestre deste ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *