Home » Notícias » Chancela a caminho

Chancela a caminho

Com semeadura já em curso, produtores de melancia de Uruana tentam obter o Selo de Indicação Geográfica, que pode potencializar a produção regional Diene Batista*

Fruta que movimenta o campo e a economia de Uruana, no centro goiano, desde a década de 1970, a melancia entrou em fase mais intensa de plantio no último mês, período que deve durar até julho. Por outro lado, quem se antecipou e começou a semeadura em dezembro, já colheu seus primeiros produtos em março. Na Fazenda Pedreira de Santo Antônio, do produtor Carmo Barbosa, 65 anos, o primeiro plantio vai abranger 17 hectares da propriedade. Já o segundo, que começa em junho, deve abocanhar uma área um pouco maior: 20 hectares.

A produtividade esperada, segundo Barbosa, é de 30 toneladas por hectare. “No plantio de agora, a gente aproveita um pouco da chuva e usa uma irrigação complementar para a lavoura. Já no segundo, desde o início, vamos usar a irrigação por gotejamento”, detalha.  O sistema localizado, em que a gota d’água cai próxima às raízes das plantas, aliás, tem conquistado os produtores. “De modo geral, já temos uma escassez grande de água e o gotejamento é uma solução para a racionalização”, explica ele, que produz a fruta em Uruana desde o final da década de 1970.

Da propriedade de Barbosa, a melancia deve sair de caminhões para diferentes mercados consumidores. Os mais próximos são Goiânia e Brasília e o maior, São Paulo. “O produto também vai para o Rio de Janeiro e Espírito Santo e já tem produtor que exporta para Argentina”, aponta, relatando as mudanças que aconteceram nas lavouras, nas últimas décadas. “A irrigação era manual, passou para sistema de sulco, hoje é gotejamento. E com certeza vão surgir novas técnicas. Em 1978, colhíamos melancias de nove e dez quilos, em média. Hoje, a média é de 15, 16 quilos – quase dobramos o peso da fruta”, comemora.

Além das movimentações para o plantio, os produtores também têm articulado a obtenção do Selo de Indicação Geográfica (Selo IG) pela melancia da região de Uruana. A certificação é concedida pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) para identificar produtos de uma determinada região e suas características específicas. Em todo Brasil, 46 produtos já receberam o selo de Indicação de Procedência, o mesmo pleiteado pela melancia de Uruana; e 18 o selo de Denominação de Origem.  Em Goiás, o açafrão da região de Mara Rosa foi o primeiro a conquistar o Selo IG de Procedência, em 2016.


Trabalho conjunto

Uma força-tarefa está mobilizada para montar o dossiê sobre a melancia, que deve ser encaminhado ao INPI pela Cooperativa Agropecuária dos Produtores Rurais e Agricultores Familiares de Uruana e Região (CooperUruana). O supervisor de organização rural da Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater), José Araújo de Oliveira, explica que as tentativas de obter o selo se arrastam desde 2009. “O recurso do Ministério da Agricultura chegou a ser liberado, mas voltou. Nós mudamos a estratégia e resolvemos envolver a própria comunidade, o que tem se repetido em outras regiões”, detalha.

Assim, além do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que liberou recursos para o trabalho, técnicos da Emater, prefeitura e instituições de ensino superior, também, estão envolvidos no projeto. No momento, de acordo com Oliveira, as peças do dossiê estão sendo elaboradas. Nele, devem constar informações como origem, história e a tradição da melancia no município. Também é necessário desenvolver a logomarca que será usada no selo e apresentar o chamado Caderno de Uso, que detalha as formas de cultivo da fruta.

Ainda segundo Oliveira, os produtores precisam apresentar o georreferenciamento da região, uma vez que além de Uruana outros 15 municípios irão fazer parte da identificação geográfica: Carmo do Rio Verde, Ceres, Heitoraí, Itaguaru, Itaberaí, Itaguari, Itapaci, Itapuranga, Jaraguá, Jesupólis, Nova Glória, Rialma, Rianápolis, São Patrício e Santa Isabel. “Nessa microrregião, a forma de produzir, o pioneirismo e a tradição são os mesmos”, justifica o supervisor da Emater.

De acordo com ele, a previsão é de que a redação do dossiê seja finalizada até junho. O documento deve ser apresentado ao INPI ainda este ano. Ele calcula que o órgão deve levar, em média, três anos para analisá-lo, pois durante o processo, por exemplo, podem ser solicitadas mais informações sobre a produção da fruta. Mesmo com o trabalho em andamento, a perspectiva da conquista do Selo IG traz a esperança de mais portas abertas. “O selo dá rastreabilidade, uma certeza ao consumidor de que aquela melancia é de Uruana. Ele vai fidelizar mercado, vai agregar valor, o que gera melhoria de renda”, anima-se.

Outros produtos

Além da melancia de Uruana, outros produtos goianos estão em busca do Selo de Indicação Geográfica (Selo IG), concedido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), como informa o supervisor de organização rural da Emater, José Araújo de Oliveira. São eles: o polvilho e os derivados da mandioca da região do Cará, em Bela Vista; o mel do Cerrado, produzido no norte goiano; o queijo cabacinha das nascentes do Araguaia; e a banana da região de Buriti Alegre.

* Colaboração para a Revista Safra

Reportagem publicada na edição de abril da Revista Safra, a partir da página 28.

O post Chancela a caminho apareceu primeiro em Portal Revista Safra.

Powered by WPeMatico

Check Also

Sem ações preventivas, milho voluntário causa prejuízos em lavouras de soja

As plantas daninhas estão entre os principais limitantes da produtividade das culturas. As perdas podem ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *